TIPOS DE LEITE

LEITE

O leite é o primeiro e o principal alimento ingerido durante os seis primeiros meses de vida. É produzido pelas glândulas mamárias presentes nas mulheres e nas fêmeas de mamíferos. É composto por água,  gordura formada principalmente por triacilgliceróis com ácidos graxos saturados e insaturados, fosfolipídios e colesterol, caseína que abriga 80% das proteínas do leite, butirina e lactose contendo algumas vitaminas A, B1, B2, B12 C e D em pequenas quantidades.e sais minerais também em pequenas quantidades como: cálcio, sódio, potássio e magnésio, que apresentam como fosfatos, cloretos, citratos e caseinatos, sendo que os sais de potássio e cálcio são os mais abundantes.. Os  componentes do leite podem variar consideravelmente entre as vacas de diferentes raças e entre vacas da mesma raça, dependendo da alimentação e da época do ano, do período de lactação etc..

Atualmente, existem grandes variedades de leites comercializados que são preparados de diferentes maneiras. O leite mais comum é o leite da vaca.

 

Métodos de conservação

Pasteurização: conservação por curto período de tempo. Destrói os microrganismos patogênicos e reduz o número total de bactérias. O leite é aquecido de 72 a 76 °C, por 15 a 20 segundos e resfriado a seguir.

Ultrapasteurização (UHT): aquecimento do leite de 130 a 150 °C, por 2 a 4 segundos e resfriamento imediato, destruindo todos os microrganismos.

Os leites dos tipo A, B e C possuem praticamente a mesma composição nutricional. A diferença entre eles está no tipo de rebanho, ordenha, processo de obtenção e número de bactérias presentes após pasteurização.

Longa vida: Para que o leite seja classificado como longa vida, ele precisa ter matéria-prima de boa procedência, deve passar pelo processo de ultrapasteurização e em seguida ser acondicionado em embalagens

Leite esterilizado É pré aquecido a 70°C em fluxo contínuo, embalado e em seguida esterilizado na própria embalagem à temperatura de 109 a 120°C, de 20 a 40 minutos, sofrendo resfriamento numa temperatura de 20 a 35°C, pode ser integral ou desnatado.

 

Leites  tipo A, B e c:

O leite tipo A é obtido de um único rebanho e não há contato manual com o leite em nenhuma fase do processo, ou seja, a ordenha é mecânica e o leite segue por tubulações diretamente para o compartimento onde sofre pasteurização, homogeneização e envase. O número máximo de bactérias permitido para este leite é de 500/ml. Contém mais gordura que proteína.

O leite tipo B é obtido de rebanhos diferentes e sua ordenha pode ser realizada mecânica ou manualmente. O leite deve ser refrigerado no próprio local da ordenha (propriedade rural) por até 48 horas em temperatura igual ou inferior a 4ºC e transportado em tanques até o local apropriado, onde será processado. O número máximo de bactérias permitido para este leite é de 40.000/ml.
O leite tipo C tem a mesma origem e tipo de ordenha do leite tipo B. Entretanto, não é refrigerado na fazenda leiteira. Após a ordenha, o leite é transportado em tanques até um local apropriado (estabelecimento industrial) até as 10:00 h do dia de sua obtenção, onde só então é processado, seguindo os prazos estipulados por lei. Este processo eleva bastante o número de bactérias presentes no leite, que pode chegar, por determinação da lei, a 100.000/ml.

Tipos de leite

Leite integral: tratado termicamente; com retirada parcial de água e sem adição de açúcar. O leite integral tem no mínimo 3% de gordura em sua composição esta gordura  presente  no leite apresenta um nutriente denominado CLA, ou ácido linoléico conjugado – o qual desempenha um papel importante na queima de gordura pelo corpo. Sendo ainda fonte de cálcio e proteínas e minerais

Leite semidesnatado: retirada parcial de gordura, tendo em sua composição  0,6 a  2,9 % de gordura- contendo os mesmos nutrientes do integral, porém menos gordura.

Leite desnatado: retirada praticamente total de gordura, contendo no máximo 0,5% . Contendo os mesmos nutrientes do tipo integral, e ressalte-se o mesmo teor de cálcio. Indicado para pessoas que precisam perder peso e com colesterol elevado.

Leite cruÉ o leite sem tratamento térmico, obtido e comercializado sem controle sanitário. Este leite  não pasteurizado, pode carregar bactérias perigosas como a Salmonella, E. Coli, e a Listeria, responsáveis por causar numerosas doenças veiculadas por alimentos.

Leite Homogeneizado

Indica que o leite pasteurizado  passou pelo processo chamado homogeinização, onde, a gordura do leite é uniformemente distribuída, evitando a formação da nata e a separação da gordura.

Leite Evaporado:

É um leite rico em nutrientes e concentrado, pois passa por um processo de redução de água da sua composição

Leite em pó: tratado termicamente, desidratado e de boa qualidade microbiológica, desde que reconstituído com água de boa procedência ou fervida. Pode ser integral ou desnatado.

Lite condensado: é o leite integral pasteurizado, desidratado parcialmente e com adição de açúcar; indicado para preparações culinárias. Existe no mercado leite condensado desnatado, com redução de gordura e menor valor calórico.

Leite reconstituído: é  o produto resultante da dissolução em água do leite em pó, adicionado ou não, de gordura láctea, até atingir o teor gorduroso fixado para o respectivo tipo, seguido de homogeneização e pasteurização.

Leite em pó – é um derivado do leite natural, que permite uma longevidade aumentada e mantém o mesmo valor nutritivo do leite líquido. É uma forma moderna de consumo, pois o produto não necessita de refrigeração, já que a baixa umidade, em torno de 3,5%, inibe o desenvolvimento de microrganismos. Depois de aberto, o produto pode ser armazenado por até 30 dias, em recipiente com tampa, para evitar que o produto se altere, escureça ou resseque. O prazo de validade da lata fechada é de um ano.

 

LEITES FUNCIONAIS

São chamados assim, aqueles, em cuja posição entraram substâncias capazes de reduzir os riscos de doenças e alterar funções metabólicas do corpo humano. Nesta categoria estão incluídos os alimentos que agem diretamente sobre algum tipo de doença.  Veja alguns:

Leite enriquecido com cálcio
Por ser enriquecido com cálcio fornece uma quantidade maior de cálcio em um volume menor de leite, sendo indicado a pessoas com maiores necessidades, como  mulheres com risco de osteoporose e atletas..

Leite enriquecido com ferro
Este leite é  opcional para aquelas pessoas que não conseguem ingerir quantidade suficiente de ferro dos alimentos, e pessoas com anemia  ou com predisposição.

O cálcio presente no leite, se consumido com alimentos fontes de ferro, impede que o ferro seja absorvido. Porém no leite enriquecido o  ferro que é adicionado é  ferro quelato em aminoácido. Explicando:  (os minerais  encontram as vezes muitas barreiras no caminho e a mais complicada é a barreira intestinal, foi feita então a combinação entre o metal ferro e o aminoácido glicina. Como o organismo reconhece e aceita este aminoácido como nutriente, absorve sem problemas e a transporta  para os devidos lugares o ferro junto com ela, entra como se fosse de carona.

Leite enriquecido com fibras
As fibras  equilibram a flora intestinal ajudando no bom funcionamento do intestino,  produzem saciedade e auxiliam em problemas de colesterol, diabetes,  etc. este leite melhora o funcionamento do organismo em geral, se associado a uma dieta saudável

Leite enriquecido com vitaminas
Para as pessoas que precisam maior necessidade de vitaminas. O mercado possui uma versão de leite desnatado com a adição de vitaminas A e D, que auxiliam na absorção do cálcio pelo organismo.
Leite com baixo teor de lactose
Indicado  para pessoas com intolerância a lactose. Estas pessoas não produzem a lactase, que é a enzima para  digerir  o açucar do leite.

Leite com ômega –

Os ômegas impedem que parte das gorduras nocivas à saúde se instalem no interior das artérias e vasos sanguíneos, pois são ácidos graxos polinsaturados. Ajudam no desenvolvimento do sistema de defesa do organismo e contribuem para a redução dos níveis de colesterol e triglicérides, regulando a fluidez do sangue e controlando a pressão arterial, principais causadores das doenças do coração. O leite com ômega associado a um  estilo de vida saudável, dieta controlada e prática regular de exercícios físicos, é importante aliado na prevenção das doenças cardíacas.

Leites hiperimunizados

Ou Stolle Milk, um tipo de leite hiperimunizado chegou recentemente ao Brasil foi desenvolvido através de vacinas contra diversas substâncias que podem provocar a formação de anticorpos. Assim, as vacas vacinadas transmitem estes anticorpos para o leite, tornando-o imunizado.

 

Considerações gerais

É indiscutível que o leite e seus derivados contêm grande quantidade de cálcio e que este mineral também pode reduzir níveis elevados da pressão arterial e evitar uma osteoporose

As necessidades diárias variam de acordo com a faixa etária:

  • criança – 800 mg/dia;
  • adolescente – 1200 mg/dia;
  • adulto – 800 mg/dia;
  • pré- menopausa – 1000 mg/dia;
  • pós- menopausa, 1500 mg/dia;
  • gravidez aumenta para cerca de 1500 mg/dia;
  • lactação aumenta para cerca de 1500 a 2000 mg/dia.

Simplificando: 3 porções de leite ou derivados, consumidas diariamente atinge esta necessidade diária. Ex: 1 fatia de queijo, um copo de leite e um copo de iogurte  diariamente, mais o que é utilizado nas preparações.

Porém é conveniente que se ressalte sobre a  biodisponibilidade ou seja o real aproveitamento dos  nutrientes através do consumo dos laticínios. Pois pouco  adianta ingerir grandes quantidades de cálcio e vitamina D se corpo não consegue aproveitá-los de maneira adequada.

Os  laticínios interferem no pH do estômago e do intestino, tornando-o levemente básico, o que dificulta a absorção de cálcio e demais vitaminas e minerais igualmente importantes para a saúde óssea. Já no sangue, ocorre o contrário: os laticínios deixam o pH levemente ácido e, na tentativa de equilibrar este pH, o organismo retira cada vez mais cálcio e outros nutrientes dos ossos. Ou seja, quanto maior a quantidade de laticínios ingerida, mais ácido fica o   sangue e maior é a descalcificação dos ossos.

O cálcio para ser fixado nos ossos precisa de magnésio, nutriente praticamente ausente nos leites, queijos e iogurtes. Sem citar a necessidade de mais de 24 nutrientes, além do cálcio e da Vitamina D, para se manter a saúde óssea adequada.

Além disso, na maior parte dos casos, o problema não é a baixa ingestão de cálcio, mas sim o excesso de sua excreção pela urina, a qual é favorecida pelo alto consumo de proteínas de origem animal – incluindo os laticínios, sódio, cafeína e carboidratos refinados, como o açúcar e a farinha.

Será necessário então, garantir uma boa biodisponibilidade deste mineral, com hábitos alimentares saudáveis como o aumento do consumo de frutas, feijão branco,  sementes de gergelim, legumes,  verduras, folhosos verde escuro,  os quais por serem ricos em cálcio  garantem um pH adequado para sua absorção, além de serem ótimas fontes de magnésio e outros nutrientes tão importantes quanto o cálcio, para manter ossos saudáveis.

A importância da vitamina D

Além dos fatores expostos acima, na ausência da Vitamina D, somente 10 a 15% do cálcio é absorvido, e sozinho não consegue fixar-se nos ossos.

A vitamina D é muito importante para a absorção de cálcio e fósforo no intestino e  é essencial para a construção de ossos fortes e saudáveis, crescimento, reparação e mineralização óssea, reduzindo a perda óssea e o risco de fraturas em pessoas com osteoporose. Uma vez que a vitamina D não faz parte da dieta habitual dos brasileiros, a principal fonte para a obtenção desta substância é a exposição à luz solar.

ALIMENTOS FONTES DE VITAMINA D

Óleo de fígado de bacalhau, óleo de fígado de arenque, sardinha enlatada, salmão enlatado, arenque enlatado, camarão, bacalhau, fígado de galinha, creme de leite, fígado de porco e de boi, manteiga, gema de ovo, queijo, leite humano, leite de vaca. Expor-se ao sol por 15 minutos em horários apropriados sem filtro solar (braços e rosto) e contemplar o sol por 60 segundos diariamente é rica fonte de vitamina D (começar a contemplar o sol com 10 segundos diariamente em horário entre 6 e 7:0 da manha ou  as 18:00) aumentar 10 segundos dia ate atingir 60.

 

Eroni Lupatini é nutricionista formada pela Faculdade Assis Gurgacz. Especialista em Docência do Ensino Superior – UNIPAN. Extensão universitária em: Fitoterapia para Nutricionistas. –Nutrigenética e Câncer – Cuidados nutricionais e metabólicos pré e pró cirurgia bariátrica; Nutrição e Suplementação especializada no esporte: da teoria à prática; Nutrigenômica e Nutrigenética: implicações práticas na nutrição clínica; Nutrição e Saúde nos ciclos de vida da mulher: suplementação de nutrientes e fitoterápicos; Funcionais, fitoterápicos e suplementos. Workshop de Fitomedicina e Fitoterapia aplicados à nutrição; Nutrição esportiva funcional; Capacitação em dietoterapia vegetarianaFisiologia da obesidade, da síndrome metabólica e da redução do peso corporal; Nutrição na terceira idade: do diagnóstico ao tratamento; entre outros. Atendimento a gestantes, lactentes, crianças, adolescentes, adultos e idosos e em pré e pró-gastroplastia. Fitoterapia aplicada a nutrição. Terapia Floral- MTC – ortomolecular, auriculoterapia. CRN 4298.

 

Como estocar o leite materno

Depois da ordenha, deve-se seguir cuidadosamente as recomendações para guardar, congelar e descongelar o leite. A aparência do leite pode mudar ao conservá-lo dado que os componentes com freqüência se separam. Com uma ordenha adequada e conservação do leite, o lactente receberá os benefícios deste, ainda que não possa ser amamentado.

Recomendações

  • Lavar bem as mãos antes de manipular o leite;
  • Extraia manualmente os primeiros jorros e descarte-os (este leite contém uma maior quantidade de bactérias);
  • Escolha do recipiente: ordenhe diretamente a um recipiente limpo ou estéril.
    • Bebê normal – pequenos recipientes de vidro (deve-se poder lavá-lo com uma escova ou à mão com água quente e detergente enxugando-o bem)
    • Bebê prematuro ou doente – recipiente de vidro, estéril.
  • Imediatamente depois da ordenha, feche o recipiente e coloque-o sob água com gelo por 1-2 minutos. Então está pronto para guardá-lo na zona mais fria do refrigerador ou congelador (Nunca na porta).
  • Use sempre o leite mais antigo

Conservação

Tente guardar mais ou menos as quantidades que o bebê recebe em cada mamada. Marque cada rótulo com o nome, data, hora e quantidade. Caso vá congelá-lo, deixe espaço no recipiente para algum aumento de volume.

Tempo de Conservação

MÉTODO TEMPO
Refrigerador 24 horas
Congelador da geladeira ou freezer 15 dias
Nunca se deve estocar o leite na porta da geladeira!!!

Instruções para juntar leite fresco ao leite refrigerado

Bebê normal – esfrie bem o leite antes de juntá-lo ao ordenhado anteriormente. Pode-se misturar com leite extraído durante um
período de 24 horas.

Bebê prematuro ou doente – não se recomenda misturar leites. Use um recipiente separado para cada ordenha.

Instruções para juntar leite fresco ao leite congelado

Bebê normal – esfrie bem antes de juntá-lo. O leite congelado não deve descongelar-se e tornar a congelar.

Bebê prematuro ou doente – não se recomenda.

Recongelar

Não se recomenda, uma vez que o leite tenha sido total ou parcialmente descongelado. Por esta razão é melhor esperar para congelar o leite em seu destino final.

Reutilização da porção que o bebê não terminou
(Leite morno antes de oferecê-lo ao bebê)

Bebê normal – permite-se somente uma vez, se o leite for esfriado entre cada alimentação. Não use o leite que ficou no copo, porque a saliva pode contaminá-lo.

Bebê prematuro ou doente – não se recomenda.

Para descongelar o leite

  • descongele lentamente deixando-o no refrigerador na noite anterior (o calor excessivo destrói enzimas e proteínas);
  • agite o recipiente com leite em água quente, não fervendo;
  • descongele a quantidade total, já que as gorduras se separam ao congelar;
  • nunca use o microondas;
  • depois de descongelado use-o dentro de 24 horas.

Fonte: Wellstart International – Milk storage guidelines for hospitalized infants

LEITES DE SEMENTES

A princípio, a regra seria não misturar leites obtidos a partir de cereais com frutas, pois o açúcar complexo dos cereais leva mais tempo para ser digerido que o açúcar simples das frutas, podendo causar algum atraso digestivo e gases.
Porém, ainda assim, esta mistura é mais digesta e saudável se comparada aos males digestivos e intoxicantes ocasionados pelo leite de vaca e seus derivados. Então, no início desta prática não se preocupe muito; pois no futuro, quando já estiver 50% crudívoro, ou 80% de sua alimentação for baseada em vegetais, o próprio organismo, naturalmente, irá evitar este tipo de combinação.
Vantagens dos leites de sementes: ecológico – integral – fresco – cru – não contém alérgenos – ativa a capacidade de concentração, a memória e a disposição – excelente para problemas de constipação – preparado com sementes germinadas, portanto, tem energia vital potencializada. Ideal ser consumido no inverno, época propícia ao consumo de sementes e raízes, como também à noite, pois contém agentes que estimulam a produção de serotonina, importante neurotransmissor do sono restaurador.
Tempo de preparo: 2 minutos.
Equipamentos necessários: liquidificador, panela furada, bacia pirex ou cerâmica e xícara (não use itensílios de plástico ou metal).
Regras gerais para o preparo de um bom leite de semente:
Proporção dos ingredientes: a fração gordurosa das sementes deverá propiciar uma textura parecida com a do leite animal. Algumas vezes pode-se recorrer a adição de uma colher (chá) de azeite de oliva extra-virgem ou de coco (prensados a frio), ou, a opção mais interessante, adição de 1 xícara (chá) de polpa de coco verde.
Então, durante suas experiências na CRUZINHA, é importante que os leites de sementes não fiquem aguados, porque estamos acostumados com um leite que tem um teor de gordura entre 2% a 4%, que emulsionada, apresenta aquela textura cremosa e palatável.
Ingrediente principal: as sementes germinadas, oleaginosas e neutralizadas pela germinação, são as ideais para o preparo destes leites, pois combinam perfeitamente com as frutas no caso de se desejar preparar uma vitamina. A segunda opção seriam os cereiais germinados, sem restrições se consumidos somente com saborizantes tipo ervas frescas. No caso de batidos com frutas, podem causar fermentações ou gases. A regra é: experimente suas receitas e observe a resposta do seu organismo. Existem crianças e pessoas que não formam gases facilmente e outras que são mais propensas.
Dicas de como melhorar o sabor (saborizantes):
Ervas – Menta, hortelã, erva-doce.
Limão ou Laranja – Raspas da casca e um pouco do líquido.
Especiarias – Canela, cardamomo, cravo, vanila (baunilha) em xarope ou varinhas.
Chocolate – Use cacau 100% sem açúcar ou algaroba (**), uma planta que tem a propriedade de tornar os alimentos com sabor parecido ao do cacau. No caso, ambos não são ecológicos, pois, em geral não são crus, integrais nem frescos. Porém, tanto a algaroba quanto o cacau podem ser encontrados “in natura” e crus, embora, caros e raros.
A algaroba é uma árvore de porte pequeno, que tem um fruto parecido com uma vagem de feijão, porém grande, duro e, por dentro, tem uma goma de sabor doce. Quando processado, o grão é seco, torrado e transformado em pó, bastante parecido com o chocolate. Por sua constituição extremamente dura as indústrias de beneficiamento não efetuam a moagem do grão cru, pois pode danificar as máquinas. Você pode encontrá-la também em forma de flocos. No caso dos leites, deve ser batida com as sementes e depois coada, pois tem muita fibra. Use 4 colheres (sopa rasa) para um litro de leite.
Adoçantes – Evite usar açúcar. As frutas poderão transformar o leite numa deliciosa vitamina. Mas, caso você não queira bater com frutas pode-se usar o mel, xarope de agave, xarope de mapple, melado de cana ou de caju. Lembrando que o mel não é um alimento adequado para crianças menores de 7 anos (*).
Frutas – Banana, maçã, mamão, manga, abacate, fruta de conde, uva vermelha, preta ou Thompson, frutas secas, etc.
Sal Marinho ou Missô – Não é necessário – Opcional: uma pitada para cada litro de leite.
Siga estes passos para todas as receitas:
Deixe as sementes de molho em água por 8 horas, em alguns casos até 12 horas. Ideal durante a noite. Caso tenha formado bolhas de ar na superfície, não se preocupe, significa que fermentou um pouco, porém não é prejudicial, sendo até benéfico para a digestão, mas não deixe passar de 12 horas.
Jogar fora esta água e lavar as sementes em uma peneira sob água corrente.
Adicione água filtrada ou mineral no liquidificador.
Liquidifique as sementes, sem nenhum outro ingrediente; o tempo vai depender da potência de seu liquidificador. Enquanto tiver pedaços inteiros, significa que deve que bater um pouco mais, porém, evite bater por longo tempo, porque, além de forçar e aquecer o liquidificador pode cozinhar o leite, perdendo assim, alguns nutrientes.
Coe em uma panela furada para obter melhores resultados, ou utilize um coador grande, usando uma concha para espremer os grãos contra a superfície da peneira.
Retorne o líquido para o liquidificador e bata com os demais ingredientes.
SUGESTÕES DE LEITES DE SEMENTES
Leite de arroz (cereal)

1/2 copo americano de arroz integral agulhinha. Colocar de molho por 12 horas. Escorrer e lavar. Deixar 8 horas sobre a peneira, lavar bem, e deixar mais 8 horas sobre a peneira, até ver apontar o narizinho da germinação. Lavar bem e colocar no liquidificador com 1 copo de água filtrada. Bater bem e espremer na panela furada. Volte o leite para o liquidificador, acrescente 2 bananas, canela a gosto e bater novamente. Delicie-se!
Leite de Aveia (cereal)
1/2 copo americano de grão de aveia integral. Colocar de molho por 8 horas. Escorrer e lavar bem. Deixar 8 horas sobre a peneira. Colocar no liquidificador com 1 copo de água filtrada + 2 bananas (maçã ou mamão) e sementes de erva-doce. Bater bem e espremer na panela furada. Este é um leite que se bate a semente junto com a fruta. Caso contrário, o leite ficará com um leve tom amargo.
Leite de Linhaça
Começar com 2 colheres de sopa de semente de linhaça. Colocar de molho por 8 horas em 10 colheres de sopa de água filtrada. Passar para uma peneira e dar uma rápida lavada sob a torneira. Colocar no liquidificador com 1 xícara (chá) de água filtrada + 1 xícara (chá) de mamão formosa picado + 1 colher sobremesa de uva passa. Bater e coar na panela furada. Servir imediatamente.
Leite de Girassol
Esta é uma das sementes mais baratas e saborosas, com tom levemente adocicado. Colocar 1/2 copo americano da semente descascada (ou 1 copo da semente com casca) de molho por 8 horas. Escorrer e lavar bem. Deixar 8 horas sobre a peneira. Colocar no liquidificador com 1 copo de água filtrada. Bater bem e espremer na panela furada. Voltar o leite para o liquidificador, acrescentar 1 xícara (chá) de manga picada (ou mamão) e 1 rodela de gengibre. Bater e servir imediatamente.
Leite de Amêndoa
Usar, preferencialmente, a amêndoa doce. Existe um tipo de amêndoa que se chama amêndoa amarga, prove uma, se picar um pouquinho não a utilize para fazer leite. Normalmente a amêndoa amarga é mais barata, mais delgada, tem a pele mais escura e enrugada. A amêndoa doce, ao contrário, é mais gorda, não apresenta rugas na pele e tem uma cor marrom dourado.
Básico: 7 amêndoas doce. Colocar de molho por 48 horas, trocando a água 2 vezes/dia. Tirar a pele e lavar bem. Colocar no liquidificador com 1 xícara de água filtrada. Bater bem e espremer na panela furada 2. Voltar o leite para o liquidificador, acrescente 1 banana ou 2 maçãs e gotas de baunilha. Bater e servir imediatamente.
Leite de Castanha-do-Pará
Esta é uma das sementes que tem maior teor de gordura, portanto, sabor mais forte. Então, use maior quantidade de frutas no seu preparo.
5 Castanha-do-Pará. Colocar de molho por 48 horas. Trocar a água 2 vezes/dia. Escorrer e lavar bem. Colocar no liquidificador com 1 xícara (chá) de água filtrada. Bater bem e espremer na panela furada. Voltar o leite para o liquidificador, acrescentar 1 xícara (chá) de manga picada (ou mamão), bater e servir imediatamente. Delicie-se!
(*) Todo mel contém uma bactéria, que é inerente à sua produção pelas abelhas, que é prejudicial às crianças menores de 7 anos.
(**) Originária dos Andes no Peru, a algaroba espalhou-se pelo México, sudoeste dos Estados Unidos, Índia, África do Sul e Austrália, Jamaica e Havaí e adaptou-se muito bem ao clima do sul da Espanha. Aqui, esta árvore pode ser encontrada, assim como mamona, no Brasil.

Fontes: Livro Curso de Culinária Ecológica (ebook) – Daniel Francisco de Assis e Apostilas do Curso Germinar da Prof. Jane Susie e Receitas da Alimentação Crua – Conceição Trucom.

Conceição Trucom é química, cientista, palestrante e escritora sobre temas
voltados para o bem-estar e qualidade de vida.