POETANDO AO LÉU

E em sua busca… de repente o ser  descobre.

Que  tudo pelo qual  lutou ate hoje…..

Que tudo pelo  que sonhou….

Que tudo pelo qual sofreu…..

Que tudo em  que acreditou….

Ou até mesmo por tudo pelo qual viveu…..

Era apenas um teatro desenhado e moldado…..

Para que ele  fizesse uma encenação…..

Neste palco que  aqui chamam vida…..

E ai ele descobre também…. 

Que a  fé  que lhe apresentaram é apenas uma crença….

Que o amor tão preconizado e encantado é na realidade pura conveniência.
Seu mundo cai….. 
E sente que a suposta vida se esvai……

E o choro incontido…..

De um coração partido, 

Converte-se em lagrimas cheias de dor….

Dor de uma saudade que não pode mais ser sentida….

Dor de uma dor que  não tem nexo ser concebida…..

Porque essa dor era falsa…. hipócrita…. romântica……

Essa dor, era a dor de um  amor inventado,  e por muito tempo idolatrado.

O sonho se desfez….

Pois constatou a insensatez…..

E agora como seguir? Sem sonhos?  Sem lutas? Sem amor?

A divagação se torna companheira…..

Uma indagação se faz rotineira…..

Onde a porta de saída?

O que então realmente é a vida???

Pensamentos e frases desconexas a principio….. 

O vazio tão temido  chega…..

É escuro ….. é denso……

E o mergulho neste breu é inevitável……

E de repente novamente……

Do vazio, do breu e do escuro….. 

Eis que algo surge…

E o ser constata…..

Que a busca sim valeu a pena.

Pois descobre que ele em si é  a própria  vida…

Que ele em sí é o amor…..

Que ele é o seu próprio sonho.

Que a sua luta valeu sim… pois…

Acabou por descobrir que…

ELE PRÓPRIO É SUA PORTA DE SAÍDA….

Eroni Lupatini

EM 8-9-19

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *