PostHeaderIcon POLUENTES AMBIENTAIS

POLUENTES AMBIENTAIS –

Em 2005 o doutor L. Cordain publicava artigos em que mostrava que a fisiopatologia das doenças crônicas da vida moderna é regulada pela dieta, pela suscetibilidade genética e pela exposição a agentes poluentes ambientais. Mudamos nosso padrão alimentar para uma dieta altamente industrializada, com excesso de calorias vindas de alimentos ricos em açucar e gordura e o consumo exagerado de álcool. (SAVIOLI, 2013)

A autora rela em seu livro que houve um aumento do consumo de proteínas de origem animal, açúcar, gordura trans, produtos industrializados e principalmente biscoitos e refrigerantes. E uma diminuição do consumo do arroz, feijão, gorduras de boa qualidade, frutas e hortaliças. O refrigerante aumentou seu consumo em 400% no Brasil. E é uma das principais fontes de açúcar. Os estados Unidos tem dado ênfase através de especialistas de nutrição e saúde, sobre os malefícios do açúcar. Já existe por lá movimento sólido contra o consumo dos mesmos. Uma latinha de refrigerante normal tem 150 calorias e o equivalente a 10 colheres de açúcar. Um adulto que consuma uma lata por dia chegará ao longo de um ano com 7 kilos a mais na balança.

Uma criança é exposta em várias fases de sua vida a alimentos que contribuem para o desenvolvimento da obesidade. Infelizmente poucos cozinham, (para nao perder tempo) pois tempo é considerado dinheiro. Porém a ciência está mostrando que a qualidade do alimento interfere, e muito no desenvolvimento da obesidade.

Toxinas utilizadas no campo para aumentar a produtividade e diminuir o tempo de crescimento das culturas tem impacto importante no ambiente e qualidade nutricional dos alimentos consumidos. Toxinas que contaminam a agua, poluem o ar, diminuem a biodiversidade e mesmo se vierem a ser proibidas, permanecerão no ambiente por vários anos, pois são de difícil degradação. As toxinas tem uma relação direta com o desenvolvimento da obesidade, pois agem como disruptores endócrinos ou seja, ocupam os receptores hormonais do nosso corpo.

As toxinas também podem entrar no organismo através dos produtos animais consumidos, potencializando o ganho de peso e causando outros problemas relacionados com a obesidade. Peixes e outros animais marinhos, particularmente os mais gordurosos, frutos do mar e os grandes predadores como Cação, possuem maior nível de contaminação . Por isso se deve consumir peixes de menor porte como sardinha que é de fácil disponibilidade e baixo custo. Importante que se peça aos fabricantes de suplementos a base de óleo de peixe (os ômegas) para apresentar laudos da composição do conteúdo de suas capsulas para evitar que não tenham sido fabricadas com peixes contaminados.

Estamos cercados por toxinas desde nossa alimentação ate os produtos de higiene pessoal que também são considerados xenobióticos (substancias químicas que entram em nosso organismo e podem interferir na produção, liberação, transporte, metabolismo, na ligação ou eliminação dos hormônios naturais responsáveis por nossa saúde

Alguns produtos como desodorantes spray, perfumes industrializados para ambientes, ou pessoais contém compostos químicos (xenobióticos) que agem como disruptores endócrinos. A recomendação da Dra Gisela Savioli é de substituir o desodorante habitual, pela aplicação de leite de magnésia de Philips nas axilas.

Um dos grandes contaminantes ambientais de hoje chama-se bisfenol A (BFA) um composto que vem sendo utilizado na fabricação de plásticos policarbonatos (mamadeiras, pratos, copos, xícaras, garrafões de agua reutilizáveis e uma infinidade de outros produtos de plástico), bem como nos recipientes e embalagens à base de resina epóxi (latas de conserva, de bebidas e outros tipos de acondicionamento destinado a alimentos, bebidas e cosméticos, inclusive para bebês) O bisfenol A age como um disruptor endócrino, ou seja como um desregulador do sistema hormonal. Dentro do corpo, ele age, como xenoestrógeno, (imita efeitos do hormônio feminino estrógeno). Sao facilmente estocados no tecido adiposo e podem ser transferidos da mãe par ao filho, durante a vida intrauterina, via placenta, e também durante a amamentação pela gordura presente no leite materno. As substancias toxicas como o bisfenol, são causas de obesidade. Por isso é fundamental a redução do seu consumo para o sucesso da perda de peso. Garrafas pet podem liberar substancias estrogênicas na agua. Esses estrogênios ambientais se ligam a receptores específicos do organismo e contribuem para o câncer e obesidade e causam resistência na perda de peso. (Evitar levar garrafa pet no carro).

A Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz apresentou um trabalho onde se verificou que todos os filmes plásticos analisados apresentavam teores de um metabólico dos ftalatos (outro xenoestrógeno) chamado DEHP muito superior ao limite permitido por lei. Os principais alimentos contaminados com essa toxina foram: peito de frango, carne bovina, pizza, coxa de frango e mussarela. (por isto ao consumir frios, prefira fatiar na hora e, se possível peça para colocar um papel em cima deles antes de passar o filme plástico.

O tecido adiposo é um grande reservatório de toxinas, e a pessoa obesa tem uma facilidade enorme de estocar, principalmente os poluentes orgânicos persistentes (pesticidas, plásticos, gordura animal, entre outros)

Conselhos uteis:

  • Dar preferencia ao aleitamento materno. Se necessário, usar mamadeira de vidro. Ou mamadeira de plástico sem bisfenol. Jamais esquentar mamadeiras de plástico contendo comida ou bebida nem colocar comida ou bebida aquecidos dentro delas.
  • Nunca esquentar comida ou bebida em recipiente de plástico ou com revestimento que contenha bisfenol A, e nunca colocar bebidas ou comidas aquecidas nesses recipientes.
  • Evitar lavar mamadeiras e outros recipientes que contenham bisfenol A em lava-louças com altas temperaturas.
  • Guardar a comida sempre em vidro, cerâmica ou em recipientes de aço inoxidável.
  • Nao esquentar a pizza no microondas, na embalagem de papelão que é entregue(o revestimento interno, contém bisfenol A!.
  • PARA REMOVER AGROTOXICOS DOS VEGETAIS utilize SOLUCAO DE IODO 2% –

5 ml para 1 litro de agua, cobrir com pano escuro, deixar os vegetais por 1 hora

depois lavar muito bem e utilizar

 

fontesÇ

SAVIOLI, Gisele. Tudo posso, mas nem tudo me convém. 14 ed. São Paulo, Ediçoes Loyola, 2013

RIBEIRO, Lair, COMO ELIMINAR OS AGROTÓXICOS DOS ALIMENTOS! Em https://www.youtube.com/watch?v=u7AYohS10wc

Eroni Lupatini: graduada pela Faculdade Assis Gurgacz. Especialista em Docência do Ensino Superior – UNIPAN. Extensão universitária em: Resistência à Insulina -Dietoterapia Vegetariana – Fitoterapia para Nutricionistas. –Nutrigenética e Câncer – Cuidados nutricionais e metabólicos pré e pró cirurgia bariátrica; Nutrição e Suplementação especializada no esporte: da teoria à prática; Nutrigenômica e Nutrigenética: implicações práticas na nutrição clínica; Nutrição e Saúde nos ciclos de vida da mulher: suplementação de nutrientes e fitoterápicos; Funcionais, fitoterápicos e suplementos. Workshop de Fitomedicina e Fitoterapia aplicados à nutrição; Nutrição esportiva funcional; Capacitação em dietoterapia vegetarianaFisiologia da obesidade, da síndrome metabólica e da redução do peso corporal; Nutrição na terceira idade: do diagnóstico ao tratamento; entre outros. Atendimento a gestantes, lactentes, crianças, adolescentes, adultos e idosos e em pré e pró-gastroplastia. Fitoterapia aplicada a nutrição. Terapia Floral- MTC – ortomolecular, auriculoterapia. CRN 4298.

Uma resposta para “POLUENTES AMBIENTAIS”

  • Web Hosting disse:

    A estimativa do risco para interna es por asma em decorr ncia da exposi o aos poluentes foi feita com o uso do modelo aditivo generalizado de regress o de Poisson. Para isso, os poluentes atmosf ricos foram sempre analisados em conjunto em modelo multipoluente, ajustado por umidade e temperatura m nima, e controlados por dia da semana e sazonalidade. O programa computacional utilizado para essa an lise foi o Statistica.

Deixe um comentario

Artigos
Meu Twitter: